Páginas

~ 10.12.11 ~

Quando se ama não é preciso entender o que se passa lá fora, pois tudo passa a acontecer dentro de nós.
Clarice Lispector

Domingo, um desses domingos de outubro, domingo lento, domingo chato, a unica coisa que me alegrava era saber que eu ia ver o meu time jogar, eu ia sozinha é claro, porque nunca mais me apaixonei por ninguém. Sabe que quando cheguei  ja havia comprado o bilhete, não precisei enfrentar toda aquela fila enorme. Uma coisa me intrigou muito, no meio de toda aquela multidão eu vi uma camiseta diferente, uma camiseta do Grêmio, de tom azul anil muito diferente de todas as camisetas que existem, camiseta qual eu só conhecia uma pessoa que a tinha, uma pessoa que havia ficado no meu passado, aquela camiseta eu havia visto pela ultima vez em minha adolescência, mas logo pensei  descrente "não, não pode ser ele, faz tanto tempo". Na arquibancada enquanto sentada eu ruía as unhas de tanta ansiedade pra começar o Grenal, ouvi vozes de discussão, era uma moça estressada que discutia com seu marido ou namorado dizendo que não queria ter vindo ao jogo, ele dizia que então tivesse ficado em casa ao invés de incomodar. Naquele domingo bonito não sei como as pessoas poderiam estar assim, logo olhei para trás quase estourando de raiva, ia pedir gentilmente pra que parassem de discutir, quando me virei dei de cara com o peito da camisa azul anil de novo, juro que quase exitei em olhar o rosto, mas não me contive, olhei e era você Renato, era você lindo, meigo, o meu Renato de sempre. Virei para a frente antes que me visse ali, eu estava gorda, você não iria me conhecer, mas era por isso mesmo que eu não queria que me notasse ali. Pensei tanto, lembrei de quando eramos dois jovens, vizinhos e colegas da escola, de como você me ajudava nos temas e de quando quantas vezes eu tentei bater na sua casa no meio da noite e dizer que era apaixonada por você, de todas as vezes que eu te via pela janela lendo ou mexendo no computador, lembrei do natal de 2001 quando você foi cumprimentar meus pais e depois eu te levei até a rua e na hora que íamos nos beijar as bombas da meia noite começaram a surgir e você se assustou. Eu estava ali, parada, feito uma boba, eu queria virar para trás, te chamar e contar tudo isso, contar, porque agora eu não tinha mais vergonha, eu não era mais aquela menina besta de antes. Suspiros e quase um choro de arrependimento rolou, olhei para trás de novo e dessa vez você me viu e deu aquele sorriso de admiração, foi lá e me cumprimentou deu três beijinhos e apresentou-me sua noiva Carla, enquanto ela me beijava e dizia prazer, você me olhava dos pés a cabeça, você disse que eu havia mudado tanto e eu disse o mesmo de você, ela foi buscar águas que o carinha da caixa de isopor estava um pouco mais pra cima, enquanto isso eu ia abrir a boca pra finalmente falar, quando você tocou no assunto " Vamos nos casar mês que vem, eu a amo muito, ela é meio briguenta, mas nunca conheci ninguém como ela, é muito divertida. Não sabia do seu paradeiro menina, mas agora deixe seu endereço que eu te mando um convite, e você está casada? Tem filhos?". Não sei porque, mas me paralisei ali, não conseguia mais falar, nem respirar direito, ela voltou, eles trocaram beijinhos na minha frente e eu me senti tão, mas tão mal. Voltaram para o degrau de cima, eu sentei e não conseguia prestar atenção no jogo, em nada, eu estava parada, pensando ainda no que acabara de acontecer, imaginei que eu poderia estar no lugar de Carla, só lembro quando no final acordei desse pesadelo com o grito da torcida eufórica, o Grêmio havia ganhado de 3x1.

Tati Lemos

11 comentários:

  1. AMEI O BLOG ~~
    BEIJOS E SUCESSO.
    http://tepegonamoita.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. nossa, que triste... hoje escrevi sobre oportunidades que aproveitamos e perdemos, e como elas mudam nossa vida... isso ja faz 2 meses e hj vc postou... espero que fique bem... beijos

    ResponderExcluir
  3. gracias por pasarte preciosa, eres un sol!
    y una gran entrada!

    besits

    ResponderExcluir
  4. Pois é, mas ainda vale:
    "não podemos voltar e mudar o passado,
    mas podemos escrever diferente o nosso futuro".

    Muito bom o texto, beijão;)

    ResponderExcluir
  5. Q bom, q legal, um final apoteótico, lindo, maravilhoso, O GRÊMIO GANHOUUUUUUUUU isso já basta minha linda, um texto inteligente, um belo conteúdo com um final arrasador, adorei, escreve outro, mas por favor o GRÊMIO tem q ganhar, pra vc amiga bjos, bjos e bjossssssssssssssss

    ResponderExcluir
  6. Tati , e como isso me tocou .Me vi em suas palavras... e quantas coisas perdemos por medo de perder , não é ?

    Um beijo e Boa semana !

    ResponderExcluir
  7. Gostei muito daqui e estou ficando.!!!

    Bjus e uma semana cheia de coisas boas p/ vc**

    ResponderExcluir
  8. Primeiro pensamento: Pelo menos o Grêmio ganhou!

    Segundo pensamento: Que coisa chata, hein, amiga? Coisa chatissima mesmo! =\

    ResponderExcluir
  9. Nossa Tati, deu ate um apertinho no coracao agora.
    Tem coisas que vem so 1 vez na vida neh? e a gente deixa escapar.
    Mas pode ter certeza, se nao deu certo eh pq nao tinha que dar.

    Sua hora de fazer o mesmo com alguem, ainda vai chegar ;)
    Imagina que se naquela epoca que os fogos de meia noite atrapalhou um beijo, estava um outro menino a te olhar e ter o msm medo de chegar em vc ;D

    Beijos!!!!

    ResponderExcluir
  10. O Grêmio...rs

    Muito bom, flor!

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  11. Saudade de passar por aqui flor. O tempo não tem sido muito meu amigo nesse último fez. Bom fim de semana pra tu!

    ResponderExcluir

22, leonina, estudante de Recursos Humanos, feminista, louca, exagerada, dramática, maníaca, fantasiosa, apaixonada, delirante, cinéfila, MPB, paz e amor e viciada em café.

 
Por ti, pra ti © todos os direitos reservados :: voltar para o topo