Páginas

~ 1.6.12 ~

Um poeta que não sabia amar.


Bem assim como Cássia Eller cantava, "Eu sou um poeta e não aprendi a amar", essa era a história de Antonie,  nome de menina, nome tão estranho quanto sua própria personalidade, Tonie vivia só pra fumar, tomar chá preto e escrever, escrevia pra não se sentir sozinha, por que escrever era um meio de se comunicar consigo mesma, ela sabia como todos nós que pessoas sozinhas, não fazem planos, e que no final ou ficam loucas ou se  suicidam. Tonie ja tinha tentado ser tudo na vida, aos 17 anos entrou para universidade para fazer História, mas acabou ficando deprimida com as populações antigas, depois entrou para o  Jornalismo, mas não se adequou a escrever só o que o governo autoriza e o que as mídias estão acostumadas a ler, fez 1 semestre de Letras, mas tudo o que escrevia era sentimento puro e ela sempre esquecia os pontos finais, as reticências, as exclamações, por ultimo tentou astrologia porém não teve condições de pagar o curso. 

Tonie tinha 19 anos e não sabia cozinhar nem beijar de língua, suspeito que as únicas coisas que sabia fazer era escrever e viver, viver sozinha. Cantava, não só no chuveiro, cantava e lia poesias em voz alta nos bancos da praça, falava com pessoas estranhas na internet, tinha marcado já inúmeros encontros, porém não compareceu a nenhum, com medo de ser assassinada. Ela não era órfã, mas não lembrava de seus pais, só de seu avô que a ensinou escrever seu nome em letras garrafais. Seu avô ja havia partido desta pra uma melhor quando ela tinha 16 anos, ela foi emancipada e vivia então como adulta. Mas de adulta não tinha nada, era uma moça magra, com sonhos de criança e uma risada de mulher. 

Gostava de homens mais velhos, mesmo nunca tendo experimentado velhos ou novos, ela gostava de falar com gente madura, gente que ja tinha vivido pra contar pra ela como era viver. Ela não gostava de pessoas mais velhas num sentido de paternidade, por que não teve seus pais por perto, mas sim de desejo, Tonie ja tinha tido um amor platônico na adolescência por um professor de Literatura e sonhos eróticos com um colega mais velho na faculdade.

Antonie era seca e fria, quando as vezes tomava cantada no shopping, era raro pois quem daria cantada em alguém totalmente pálida com algumas sardas no rosto e com um bafo de cigarro? Pois bem, quando recebia cantadas baratas, ficava séria, mas ria tanto por dentro e sentia pena das pessoas. Tinha um olhar vazio e pensara que nunca teria um namorado, pois ela não sabia amar, ela não sabia nem querer, ela não sabia ao menos falar, só sabia escrever. Ia no centro da cidade tomar café nas mesas expostas na calçada e lia, cobiçava os rapazes acompanhados, achava bonitos os cabelos ruivos de algumas moças que por ali atravessavam. 

Certo dia, com algum dinheiro guardado numa caixa de sapato mofada em cima do armário, decidiu que iria viajar para longe, ia parar de fumar e se apaixonar. (...)


Tati Lemos

12 comentários:

  1. As vezes tem disso, não é? Cássia sabia das coisas.

    Que a Antonie, encontre um sentido no amor, e que as vezes a aparência não é algo de devemos da importância muito das vezes o que importa esta dentro se não o quem realmente importa.

    Sera uma serie? Se for eu vou amar, que nem o da Alice?

    :)

    ResponderExcluir
  2. Me falaram uma vez que quem muito diz pouco sente e acho que na maioria da vezes isso é verdade.

    ResponderExcluir
  3. Um sótão cheio de lembranças
    Escrevi no pó palavras sem nexo
    Retirei uma cartola de uma caixa de cartão
    E senti ao toque o poder da ilusão

    Ilusões…
    Um cavalo de pau perdido ao carrocel
    Uma estola de um bicho qualquer
    Uma escultura talhada a cisel

    Uma foto a preto e branco
    De uma mulher sem rosto
    Uma janela virada para nenhum lado
    Uma traquitana a imitar o sol-posto
    Terno abraço

    ResponderExcluir
  4. Fiquei muito curiosa para saber o que vai acontecer com a Tonie. Ela é uma pessoa tão sozinha e merece ter alguém, amigos, alguém que leia as poesias dela *_*
    Fiquei ansiosa para saber o que vai acontecer e tenha certeza, que vou vir correndo ler rs
    Grandes beijos flor e volte sempre flor <3
    Seu post me pegou rs

    ResponderExcluir
  5. "tinha marcado já inúmeros encontros, porém não compareceu a nenhum, com medo de ser assassinada"

    Adorei!
    As vezes mudar a vida só precisa de pequenas decisões.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Decisão. a melhor maneira de avançar.

    Post novo, entrem e comente!!!
    http://gabriellyrosa.blogspot.com

    G.R ♥

    ResponderExcluir
  7. Hummm , onde compro o livro ?rsrs
    Pra mim , o melhor de todos !!

    ps: Beijos e desculpe a ausência , ando sem inspiraçôes :(

    ResponderExcluir
  8. como escreves bem, guria! como toca e faz com que a gente tenha sede na leitura.

    adorei teu texto, inspirador eu diria.
    continue assim, enquanto eu continua a vir.

    beijos, diuliana

    ResponderExcluir
  9. Tati que historia....

    gostei!!!!!

    sempre otimo os seus textos....

    beijossss

    ResponderExcluir
  10. Taaati querida,

    sumi né? Tô sem tempo mesmo, mas assim que eu puder eu vou postar sim.

    Noooooossa que saudade que eu tava daqui.

    Mas adorei ver que você começou uma nova história, e como não poderia ser diferente já estou super ansiosa para ler os próximos capítulos.


    Beijoooo

    Além das Palavras - umpoucodemimsm.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. bem legal o texto, nos faz imaginar cada detalhe da historia,

    os detalhes descritos são fascinantes ... um texto objetivo, criativo e gostoso de ler,

    gostei bastante, parabéns Tati,

    Abraço,

    ResponderExcluir
  12. Faz tempo que não vinha aqui :/
    Adoro essas histórias que contam praticamente tudo o que a gente sente. :) E será que alguém realmente sabe amar?
    Bj, Adorei ._.

    ResponderExcluir

22, leonina, estudante de Recursos Humanos, feminista, louca, exagerada, dramática, maníaca, fantasiosa, apaixonada, delirante, cinéfila, MPB, paz e amor e viciada em café.

 
Por ti, pra ti © todos os direitos reservados :: voltar para o topo